Busca

Vatican News
D. Ignatius Kaigama, Arcebispo de Abuja, Nigéria D. Ignatius Kaigama, Arcebispo de Abuja, Nigéria 

Nigéria. D. Kaigama: Corrupção e injustiças sociais alimentam pobreza e violência no País

A Igreja na Nigéria denuncia mais uma vez o flagelo da corrupção e das injustiças sociais que continuam a alimentar a pobreza e a violência no País, disse D. Ignatius Kaigama, arcebispo de Abuja e presidente da Conferência Episcopal Regional da África Ocidental (Recowa-Cerao), durante a Missa no último domingo, 10 de maio.

Cidade do Vaticano

"Não é segredo para ninguém que um dos maiores problemas que enfrentamos hoje na Nigéria é a ganância e que a ganância leva à corrupção", disse o Prelado na homilia citada pela agência Cisa. Se aqueles que comandam, no Governo, nas  comunidades tribais ou religiosas, tivessem feito o seu trabalho com diligência e temor de Deus, sem demonstrar arrogância e ostentar a sua origem famíliar, pertença tribal ou religiosa, não teríamos o triste primado mundial do mais elevado número de pessoas que vivem em extrema pobreza”.

Oiça aqui a reportagem e partilhe

"A pobreza generalizada no nosso País deve-se em grande parte à incapacidade de garantir a justiça social, que é também a razão pela qual a paz nos escapa, mesmo que rezemos por ela", disse o arcebispo Kaigama. Tudo isso explica também porque testemunhamos a proliferação de males como roubos, sequestros, a desonestidade, a prostituição, a fuga de cérebros, a emigração ilegal".

Referindo-se aos episódios de açambarcamento e roubo de medicamentos, alimentos e outros apoios destinados a pessoas mais necessitadas e  que se verificaram nestas semanas de emergência do Coronavírus, o Prelado observou, embora condenando-os, que a pobreza produz este resultado: "A incapacidade de reconhecer as necessidades dos pobres e de estar atento e sensível às suas necessidades lança as bases da violência", enfatizou D. Kaigama.

O arcebispo recordou, mais uma vez, as responsabilidades dos líderes políticos nigerianos: "É triste que, depois de terem sido eleitos, muitos líderes logo se esqueçam do seu eleitorado. Eles deveriam mostrar amor pelos mais necessitados", concluiu.

13 maio 2020, 11:55