Busca

Vatican News
Bienal de Luanda, Forum Pan-Africano para a Cultura de Paz Bienal de Luanda, Forum Pan-Africano para a Cultura de Paz 

Angola. Bienal de Luanda encerra com apelos ao reforço da paz e unidade no Continente

Durante cinco dias, cerca de 2.800 delegados provenientes de todo o mundo, dos quais cerca de 2.000 de Angola (País anfitrião) e os restantes de outras nacionalidades, incluindo os delegados indicados pela União Africana e pela UNESCO, participaram na “Bienal de Luanda”, Forum Pan-Africano para a Cultura de Paz em África.

Anastácio Sasembele – Luanda, Angola

A conclusão mais importante da primeira edição da Bienal de Luanda foi o apelo para a formação de uma coligação múltipla de parceiros para a capacitação dos povos africanos para a transformação positiva das sociedades, com o envolvimento das comunidades económicas regionais, as instituições académicas e associações profissionais, as organizações internacionais, o sector privado, a sociedade civil e personalidades influentes, no Continente e no exterior.

Oiça aqui a reportagem e partilhe

A avaliação é do ministro angolano da Comunicação Social, João Melo, quando discursava no acto de encerramento.

Cinco dias de reflexão e debates

A Bienal resumiu-se em cinco dias de reflexão, debates e intercâmbio, durante os quais foram realizados quatro eventos: Fórum de Parceiros, Fórum de Ideias, Fórum das Mulheres e Festival de Culturas. Os seus resultados foram devidamente enunciados no comunicado final.

Presentes alguns Presidentes e Directora da UNESCO

O evento ficou igualmente marcado com a presença dos Chefes de Estado de Angola, João Lourenço, da Namíbia, Hage Geingob, e do Mali, Ibrahim Boubacar Keïta, para além da directora geral da UNESCO, do presidente da Comissão da União Africana, do Prémio Nobel da Paz 2018, Denis Mukwege, e do futebolista africano Didier Drogba.

A ministra angolana da Cultura Maria da Piedade de Jesus fez um balanço positivo do evento.

A próxima edição do Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz acontece novamente em Luanda, em 2021. 

26 setembro 2019, 16:08