Cerca

Vatican News
Primeiro Conselho de Estado, no Palácio do Povo, em São Tomé e Príncipe Primeiro Conselho de Estado, no Palácio do Povo, em São Tomé e Príncipe 

Conselho de Estado sugere diálogo nacional contra interesses partidários

Foi realizado na sala de reuniões do Palácio do Povo, em São Tomé e Príncipe, o primeiro Conselho de Estado, proporcionado pelo Presidente da República, Evaristo de Carvalho.

Melba de Ceita – Rádio Jubilar, São Tomé e Príncipe

A conclusão a que chegaram durante o encontro é que há necessidade de criar um espaço de diálogo nacional entre todos os Órgãos da soberania, Partidos políticos e a sociedade civil, para que haja a paz e estabilidade política no País.

Oiça aqui a reportagem:

O Conselho de Estado é um órgão de consulta do Presidente da República  sem que haja um vínculo. Foram convocados para o Conselho o Presidente do Parlamento, o Primeiro Ministro, o Presidente do Tribunal Constitucional, o Procurador geral da República , o Presidente do Governo Regional do Príncipe, os antigos Presidentes da República, três cidadãos idóneos designados pelo Presidente da República e três cidadãos eleitos pelo Parlamento.

Tudo decorreu de forma pacífica e positiva

O  Porta-Voz do encontro, o Primeiro Presidente da República Manuel Pinto da Costa, fazendo o balanço do encontro, garantiu que  decorreu de forma pacífica e positiva,  onde cada um teve a oportunidade de dar a sua opinião. Continuando, o mesmo informou que chegaram à conclusão  de que há necessidade de abrirmos o país  ao diálogo, sobre a presidência do Presidente da República, partidos politicos e sociedade civil,   deveriam estar organizados para conhecerem realmente o País com os seus problemas, em vista à paz e maior estabilidade política.

Organizar-se para evitar sociedade partidarizada

Manuel Pinto da Costa  chama a atenção dizendo que  se a sociedade santomense não se organizar  para sermos uma força alternativa   corremos o risco de criar  uma sociedade partidarizada e estaremos submetidos à ditadura dos partidos. "E se cairmos na ditadura dos partidos tudo será feito em função do interesse de quem está no poder", finalizou.

11 junho 2019, 15:46