Cerca

Vatican News
Padre Tony Neves (D), em entrevista com Anastácio Sasembele (E). Padre Tony Neves (D), em entrevista com Anastácio Sasembele (E). 

Angola. Corrupção e boa governação entre os temas debatidos por P. Tony Neves

Temas como a corrupção, justiça e paz, boa governação, diálogo inter-religioso e a ecologia integral trouxeram a Angola, o missionário Espiritano Toni Neves, que visitou as províncias de Luanda, Huila, Benguela, Huambo, Kwanza Norte e Cabinda.

Anastácio Sasembele – Luanda, Angola

A residir actualmente em Roma, o sacerdote foi convidado para um ciclo de colóquios, nas diferentes dioceses que compõem a Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST).

Oiça aqui a reportagem:

Em entrevista ao Vatican News o P. Tony Neves falou da problemática da corrupção, justiça e paz, boa governação, diálogo inter-religioso e a ecologia integral que fazem parte dos desafios com que Angola se debate, mas também se aplicam em todas as realidades, ou seja, à escala planetária.    

Transformações que ocorrem no País

O missionário português que viveu os seus primeiros seis anos de padre em Angola, acompanha com alguma expectativa, as transformações políticas, económicas e sociais que ocorrem no País.

Combate à corrupção pelo actual Executivo

O combate “cerrado” à corrupção empreendido pelo actual executivo angolano, liderado pelo Presidente da República João Lourenço, mereceu análise do sacerdote, para ele, “Angola como todos os outros Países, precisa dar passos significativos no combate à corrupção, na promoção de uma governação mais transparente, estilo de vida simples, e maior investimento no sector social”. 

Participação activa da sociedade civil

O Padre Tony Neves chamou igualmente a atenção para que estas medidas sejam realmente concretizadas e sugeriu a participação activa da sociedade civil, as igrejas e os meios de comunicação social a ajudar no acompanhamento minucioso, para a concretização destas medidas, que segundo o sacerdote são o caminho que leva ao futuro promissor.

No seu percurso pastoral, o sacerdote trabalhou em Angola durante a guerra civil, de 1989 a 1994, e é licenciado em Teologia e Comunicação Social (UCP – Lisboa), com pós-graduações em Ciência das Religiões (Paris) e Lusofonia e Relações internacionais (Lisboa).

É doutor em Ciência Politica, com louvor e distinção, pela Universidade Lusófona (Lisboa, 2011), com uma tese sobre o impacto no processo de paz das intervenções da Igreja Católica em Angola.

Já foi superior provincial dos missionários Espiritanos em Portugal. 

06 junho 2019, 15:30