Busca

Vatican News
2019.06.13 Dr. Domingos das Neves, Dr. Celso Malavoloneke e Dr. Guilherme Santos Programma Portoghese Dr. Domingos das Neves, Dr. Celso Malavoloneke e Dr. Guilherme Santos, três importantes figuras angolanas 

Angola - Ainda há bastante discriminação dos albinos

Hoje é Dia Mundial de Consciencialização sobre o Albinismo. Em Angola aumentam os níveis de vulnerabilidade dos portadores do Albinismo dadas as condições meteorológicas e sociais, no país, aliada ao preconceito que agudiza o nível de dificuldades no seio dessa franja.

Anastácio Sasembele - Luanda

Celebrado pela primeira vez em 2015, o dia foi proclamado pela ONU, para divulgar informação sobre o albinismo e para evitar a discriminação aos albinos, combatendo ao mesmo tempo a sua perseguição.

O albinismo pode afectar pessoas de todas as raças. Contudo, em África o albinismo é mais frequente e problemático. Dados da ONU mencionam que centenas de pessoas com albinismo, na sua maioria crianças, foram atacadas, mutiladas ou mortas em pelo menos 25 países africanos.

Em Angola, infelizmente, a discriminação e até perseguição dos albinos continuam a ser práticas recorrentes, e em muitos casos a discriminação começa na família, como revelou a cidadã albina, Bem – Vinda Esperança, que disse haver no país casos de albinos que são recusados pelas próprias famílias, chegando, por isso, a não ter uma casa para morar.

"Entre os vários casos registados, há o de seu irmão, também albino, que teve de deixar a namorada porque a sogra prometeu suicidar – se caso a namorada formasse uma família com o seu irmão”.

Para além da discriminação, a pobreza em alguns casos, agudiza ainda mais as dificuldades desta franja da sociedade angolana, Victória Bamba é outra cidadã albina, residente na província de Luanda, num cenário de extrema pobreza demonstrou um rosto triste, com a vida rodeada de vários problemas.

Guilherme Santos, cidadão albino e porta – voz do movimento Pró – albino em Angola considerou imperioso a existência de políticas públicas sociais que tenham em consideração a problemática do albinismo.

Os albinos, em Angola, querem beneficiar de consultas grátis junto das unidades hospitalares públicas, para impedir que continuem a contrair doenças da pele. Ainda sobre questões de saúde as preocupações maiores focam – se nas consultas de dermatologia, uma necessidade premente para protecção da pele. Quanto as consultas de oftalmologia, Guilherme Santos, falou de um acordo firmado entre a associação que dirige e uma óptica. Este acordo, segundo o responsável, traduz – se na consulta a pessoas albinas com dificuldades financeiras.

Se tivermos que medir, em Angola, os albinos ainda sofrem discriminação na ordem dos 50 por cento, segundo dados da Associação nacional de albinismo.

Oiça

 

13 junho 2019, 18:07