Cerca

Vatican News
2019.03.17 bosco, verde, natura, fiore, protezione e salvaguardia ambiente A paz é como uma flor frágil 

A Paz é uma flor frágil – mensagem dos Bispos do Benim ao país

No Benim a tensão tem vindo a subir ao aproximar-se da data das eleições legislativas agendadas para 28 deste mês. É que não se chegou a consenso parlamentar para eleições inclusivas, transparentes, democráticas e credíveis – afirma a Conferencia Episcopal beninesa que apela à oração a fim de preservar a paz e a concórdia no país.

Dulce Araújo - Cidade do Vaticano 

“A Paz é uma flor frágil” - Este o título da mensagem dirigida, no dia 14 de Abril de 2019, Domingo de Ramos, pelos Bispos do Benim, aos seus cidadãos. Nela sublinham que há meses que têm vindo a chamar a atenção da população e dos actores políticos para a tensão que está a crescer no país devido à falta de consenso em volta de numerosas e legítimas reformas necessárias para tirar o país da rotina da má-governação e do subdesenvolvimento.

Tensão tem vindo a aumentar

A Conferencia Episcopal Beninesa afirma ainda ter vindo a recomendar a todos o espírito de compreensão recíproca e de tolerância que prevaleceu aquando da histórica Conferencia das Forças Vivas da Nação em Fevereiro de 1990. Os frutos dessa conferência permitiram ao Benim realizar uma grande reforma politica: a passagem - sem derrame de sangue - de um poder ditatorial para um sistema democrático e pluralista.

Depois de três décadas de experiência democrática feita de altos e baixos – escrevem os bispos – o Benim se encontra hoje perante uma situação inédita: eleições legislativas às quais participariam apenas dois partidos de uma mesma filiação política.

Presidente da República procurou consenso

O Presidente da República, Patrice Talon, pressentindo esse risco, encarregou o Presidente da Assembleia Nacional, Adrien Houngbédji, de procurar consensos em volta de uma proposta de lei derrogatória a fim de que as eleições legislativas previstas para 28 deste mês de Abril sejam “inclusivas, transparentes, democráticas e credíveis.”

Entretanto, e na sequencia da Carta Pastoral para o tempo da Quaresma “A verdade vos libertará” de Fevereiro passado, e depois de ter analisado profundamente a situação sociopolítica, a Conferência Episcopal, preocupada com a preservação da paz e das conquistas democráticas, solicitou o povo à oração. Realizou também diversos encontros com os actores políticos para os encorajar a ir no sentido do consenso procurado pelo Chefe de Estado e desejado por um bom número de cidadãos.

Não se chegou a consenso

Mas, constatando que não se chegou a esse consenso no Parlamento, os Bispos do Benim agiram no sentido de levar a recorrer a outras disposições constitucionais apropriadas que permitam ao país sair do impasse mediante a organização de eleições inclusivas. Mas tiveram de constatar a decisão dos Chefes das Instituições  da República de levar adiante o processo eleitoral.

Por isso, a Conferencia Episcopal volta a recordar as palavras de fé e esperança já sublinhadas na mensagem de Janeiro de 2016, isto é que perante as situações de alto risco e de impasse por que o país tem passado, sempre Deus deu aos benineses um suplemento de patriotismo que permitiu gerir as crises mediante o consenso, tendo em vista o interesse supremo da Nação.

Preservar a paz, custe que custe

Nesta linha, os Bispos conservam a esperança e convidam todos a fazer uso das próprias prerrogativas para preservar, custe que custe, a paz e a unidade nacional mediante a organização de eleições legislativas inclusivas. Com efeito – escrevem citando a mensagem do papa Francisco para o Dia Mundial da Paz 2019 – a paz é como uma flor frágil que procura desabrochar no meio das pedras da violência.

Oração, agir em consciencia e abster-se da violencia

Os bispos pedem também aos fieis e a pessoas de boa vontade para intensificarem as orações e o jejum durante o tríduo pascal, e a recitação do terço e da “Oração pelo Benim”  durante a oitava de Páscoa. Orações para pedir a Cristo, vencedor da morte e do mal, para afastar do Benim os germes e os espectros da divisão, do ódio, da vingança e de interesses egoístas prejudiciais ao bem comum e à convivência.

Nesta fase delicada da história do Benim, os prelados do país recomendam ainda a cada um de agir sempre e em qualquer lado em conformidade com a própria consciência, iluminada pela lei de Deus e pelo amor à Pátria.

Recomendam a abstenção de toda e qualquer provocação e violência física ou verbal a fim de que o país continue a viver na paz e na concórdia.

16 abril 2019, 17:13