Cerca

Vatican News
Dom Manuel António dos Santos, Bispo de São Tomé e Príncipe Dom Manuel António dos Santos, Bispo de São Tomé e Príncipe 

São Tomé e Príncipe: Bispo da Diocese encoraja santomenses a terem esperança

O Bispo da Diocese de São Tomé e Príncipe numa entrevista concedida a Rádio Jubilar, fazendo o balanço do ano, garantiu que apesar das dificuldades que a Diocese tem tido, 2018 foi um ano positivo, no sector religioso e social, mas um pouco difícil no sector político.

Rádio Jubilar – São Tomé e Príncipe

No balanço feito o Bispo Dom Manuel António Mendes dos Santos falou de uma forma abrangente, entrando na religião, política e também social.

Consolidação da Igreja

No que toca a área religiosa Dom Manuel António especificou os factos importantes, que aconteceram na Diocese, começando pela consolidação dos Padres Capuchinhos em São João dos Angolares, algumas obras que foram concluídas, até a visita do Cardeal Fernando Filoni; Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, juntamente com o Núncio Apostólico.

Ano centrado na juventude

Não deixando de lado os encontros da CEAST (Conferência Episcopal de Angola e São Tomé), Dom Manuel António assegurou que foi um ano centrado na Juventude, e o Sínodo também foi um momento marcante, nesta caminhada que faz a Igreja em levar a Boa Nova de Jesus Cristo ao mundo da Juventude, que precisa viver com um sentido espiritual mais profundo. Frisou também a importância das festas dos padroeiros.

Igreja santomense ao lado dos mais carenciados

A nível Social, abertura da casa dos pequeninos, abertura da creche das irmãs Franciscanas Hospitaleira em Neve, abertura de uma creche em Ribeira Afonso, como forma da manifestação da Igreja em estar ao lado dos mais carenciados.

2018 no difícil, mesmo na política internacional

Na área da política o Bispo reconhece que foi um ano difícil para o País e também a nível mundial. Começando pela política internacional o Prelado considera que foi um ano que fica na história, com muitos governos dos chamados países democráticos a virarem para a direita.

A propósito de África, Dom Manuel António disse que a população africana deposita nos seus políticos toda a confiança que muitas vezes acabam por defraudá-la, até ao ponto de fazerem dos países uma espécie da quinta sua que procuram explorar ao máximo sem se preocupar com a população.

No seu discurso o Prelado também chamou à atenção de modo que quem está no poder tenha a consciência de levar o país a bom porto. E quanto as eleições de 7 de outubro, o Bispo concorda com o Presidente da República Evaristo de Carvalho que a maior preocupação deve ser de pôr a frente alguém capaz, independentemente da sua filiação política.

Trabalhar pela paz, justiça e desenvolvimento do País

Entre o povo há uma certa esperança e nota-se também um respirar de alívio que não deixa de ser positivo e o Bispo pede que cada um se preocupe em trabalhar pela paz e justiça para o desenvolvimento de São Tomé e Príncipe.

Deixar demagogia, dar oportunidades aos jovens

Perspectivando o ano 2019, o Bispo pede que a realidade vivida em 2018 seja motivo de reflexão para todos, e que todos saibamos acreditar em sonhos, deixemos de demagogia, de lindos discursos, onde o dinheiro continue a falar mais alto. Há necessidade de criar credibilidades nas instituições e dar voz e oportunidade aos jovens, porque o País tem muito a receber da camada jovem de modo a dar esperança ao povo santomense.

16 fevereiro 2019, 09:43