Cerca

Vatican News
Crianças pedem paz em Bangui, República Centro-Africana Crianças pedem paz em Bangui, República Centro-Africana 

RCA: assinado em Cartum acordo de paz entre governo e grupos armados

Foi assinado nesta terça-feira, dia 5 de fevereiro, em Cartum, o acordo de paz alcançado em 2 de fevereiro na capital sudanesa, pelo governo da República Centro-Africana (RCA) e por 14 grupos armados que controlam a maioria do território Centro-africano.

Cidade do Vaticano

Até ao último momento, nenhum detalhe tinha transparecido sobre o conteúdo do acordo, do mesmo modo que não tinha sido especificado onde a assinatura se teria realizado, se em Cartum ou Bangui, mas o governo e a presidência da RCA haviam previamente indicado que a assinatura teria lugar em Bangui "nos próximos dias". As negociações de Cartum, iniciadas a 25 de janeiro por iniciativa da União Africana e da ONU, reuniram os principais líderes dos grupos armados e uma importante delegação do governo.

O papel da ONU e da União Africana

O anúncio do acordo foi dado por Jean Pierre Lacroix, o Secretário-Geral Adjunto para as operações de paz das Nações Unidas, o qual lançou um apelo em apoio da implementação do acordo. "Este é um grande dia para a República Centro-Africana e para todo o povo Centro-africano", comentou Smail Chergui, Comissário da União Africana que participou nas negociações como mediador. Chergui também pediu a todos para apoiarem este acordo que permitirá que “todo o povo da República Centro-africana progrida no caminho da reconciliação, da concordância e do desenvolvimento''. Logo depois da assinatura do acordo de paz, Chergui quis sublinhar a importante colaboração de todas as partes presentes nas negociações.

Uma guerra para o controle das riquezas naturais

A República Centro-Africana, com uma população de 4,5 milhões de habitantes, vive em estado de guerra desde 2013. A partir de então, nada menos que sete acordos de paz foram assinados em cinco anos, nenhum dos quais levou a um retorno à estabilidade. O território da RCA, considerado um dos países mais pobres do mundo - destaca a Agência Fides - é contudo rico em diamantes, ouro e urânio. Os grupos armados, que controlam entre 70 a 80% do território, combatem principalmente pelo controle destas riquezas. – (Agência Fides).

Oiça aqui a reportagem e partilhe:
05 fevereiro 2019, 09:41