Busca

Vatican News
Campanha eleitoral na África do Sul Campanha eleitoral na África do Sul  (AFP or licensors)

Eleições gerais na África do Sul. Bispos: “voto seja pacífico e livre”

No próximo dia 8 de maio, a África do Sul vai às urnas para as eleições gerais. Em vista deste escrutínio eleitoral, a Conferência Episcopal local (Sacbc) publicou uma Carta pastoral "aos católicos e a todos os homens de boa vontade”.

Cidade do Vaticano

Um apelo por eleições "pacíficas, livres e transparentes" e um apelo "à oração": ao longo destes dois eixos se desenvolve a Carta Pastoral dos Bispos sul-africanos, publicada em vista das eleições gerais marcadas para o próximo 8 de maio. Os bispos redigiram o documento em Mariannhill durante a Assembléia Plenária.

Escolher líderes que promovam o bem comum

Em primeiro lugar, os bispos definem "imperativo" o exercício do direito de voto de forma "sábia e corajosa, sem deixar-se distrair por falsas promessas", olhando para os líderes capazes de "promover o bem comum e viver a Constituição à luz do Evangelho". Daí a exortação aos eleitores a se fazerem algumas perguntas antes de entrarem na urna, como por exemplo: quem, de entre os candidatos, poderá efectivamente erradicar a corrupção, enfrentar os temas do desemprego e da pobreza e reduzir drasticamente o nível de violência perpetrada na população, em particular mulheres e crianças. Em síntese, sublinham os bispos, trata-se de escolher líderes que sejam capazes de "proteger a democracia" e fazer com que os cidadãos se sintam "orgulhosos de serem sul-africanos”.

Não a violências e intimidações

Em seguida – prossegue o documento – é essencial a criação de “um ambiente tolerante, que permita a cada sul-africano de apoiar e votar no partido escolhido, sem receio de violência e retaliações”. Por isso, recordando a responsabilidade do Estado de "garantir a segurança de todos", os prelados exortam os partidos políticos a evitar as intimidações, tomando medidas decisivas contra os que as cometessem, bem como a "respeitar os resultados eleitorais", assegurando também o respeito da lei.

O papel dos mass-media

Da mesma forma, também os meios de comunicação de massa são instados pela Igreja da África do Sul a "fugir do sensacionalismo" e a "relatar os eventos de maneira apropriada e responsável, para o bem de todos". Nesta perspectiva, vem enfim o apelo à oração lançado pelos bispos, que sugerem uma oração em que se implora do Pai o respeito pela lei, a humildade do serviço, a esperança para os pobres, a unidade da população, a paz e a segurança para as crianças.

12 fevereiro 2019, 16:41