Versão Beta

Cerca

Vatican News
Jovens e adolescentes de Luanda, em Angola Jovens e adolescentes de Luanda, em Angola 

Governo e saúde reprodutiva dos jovens e adolescentes em Angola

Em Angola, 50% das mulheres já tiveram a primeira gravidez aos 18 anos de idade, razão que limita a educação e as oportunidades aos adolescentes, afirmou, em Luanda, a Ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Silva do Sacramento.

Anastácio Sasembele – Luanda

A afirmação foi feita durante o acto de abertura da Conferência Nacional sobre saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes e jovens, sob o lema ”Agir agora pensando no amanhã”, que termina nesta quinta-feira (16/8).

Gravidez precoce fatal para as meninas

A Ministra referiu que a gravidez precoce pode ser fatal para as meninas, pois a gestação em menores de 20 anos aumenta em quatro vezes o risco de morrer por uma complicação.

As estimativas indicam que o país tem cerca de 29 milhões de habitantes, com uma alta taxa de fecundidade, 6,2% e um crescimento populacional anual acima de 3.1%, acesso limitado aos serviços de saúde sexual e reprodutiva.

Igrejas devem apostar em programas de educação cristã

Ana Paula do Sacramento disse que é preciso responder às necessidades específicas de saúde das populações, acrescentando que em 2015 o país elaborou a estratégia de atenção integral à saúde de adolescentes e jovens, para o período 2016-2021.

E o reverendo Ntoni Nzinga lamenta o facto de muitas destas meninas que engravidam antes dos 18 anos serem cristãs, o que prova que não cumprem com o que diz a sagrada escritura, por este facto defende que a igreja deve apostar mais em programas de educação cristã, por forma, a consciencializar os adolescentes.

Oiça aqui a reportagem e partilhe:
16 agosto 2018, 10:08