Versão Beta

Cerca

Vatican News
O Novo Primeiro-Ministro da Etiópia, Abiy Ahmed O Novo Primeiro-Ministro da Etiópia, Abiy Ahmed  (AFP or licensors)

Eritreia: Religiosos louvam oferta de paz da Etiópia

Religiosos e religiosas católicos da Eritreia abraçam o ramo de oliveira como gesto de paz oferecido pela Etiópia e exortam os líderes do seu País a aceitar a oferta.

Vatican News - Cidade do Vaticano

"O passo dado pelo governo da Etiópia é positivo e enche os nossos corações de felicidade. Agora cabe a Isayas Afeworki (Presidente da Eritreia) agir. Ele decidirá se realmente quer fazer as pazes" - estes são alguns dos comentários dos religiosos e religiosas católicos na Eritreia.

Etiópia pronta a ceder os territórios disputados

Em abril deste ano, Abiy Ahmed tornou-se Primeiro-ministro etíope. O mais jovem chefe de governo da África, com 42 anos de idade, Abiy surpreendeu a muitos, dentro e fora da Etiópia, com a sua agenda radical de reformas desde que assumiu o poder. Rapidamente levantou o estado de emergência; prometeu acabar com meses de protestos mortais e libertou milhares de presos políticos. Na terça-feira, 5, Abiy anunciou que a Etiópia implementaria o acordo de paz de Argel que exige que o País ceda os territórios disputados com a Eritréia, incluindo a cidade fronteiriça de Badme, que ocupa há mais de vinte anos.

Na raiz de tudo isso está um amargo e sangrento conflito de dois anos entre a Etiópia e a Eritréia que levou à perda de milhares de vidas em ambos os lados. As tensões e a inimizade têm persistido dando ao governo da Eritreia uma desculpa conveniente para a repressão do seu povo, alegando a importância de estar pronto para a guerra com a Etiópia.

Religiosos eritreus apelam à reconciliação

Esta semana, os religiosos da Eritreia elogiaram a disposição da Etiópia em ceder os territórios disputados à Eritreia e pôr fim às tensões que duram há vinte anos.

"O que nos perguntamos é se a paz com a Etiópia é realmente conveniente para Isayas Afeworki", disseram à Agência Fides os religiosos que pediram o anonimato por razões de segurança.

A Eritreia é considerada um dos Países mais repressivos do mundo. O governo da Eritreia exerce poder absoluto sobre o País e baniu os partidos da oposição no País. O Estado não tem órgãos de informação ou media independentes. O Conselho de Segurança das Nações Unidas impôs um embargo de armas à Eritreia em 2009 porque o governo estava a fornecer apoio político, financeiro e logístico a grupos militantes na Somália, embora Eritreia tenha sempre negado a acusação.

Eritreus e etíopes são irmãos e irmãs

Os religiosos da Eritreia dizem que sonham com um País onde haja paz.
"Etíopes e eritreus são irmãos e irmãs. Têm as mesmas origens. Falam línguas que provêm da mesma família linguística (ge'ez). Têm as mesmas tradições religiosas, os mesmos trajes e até mesmo a mesma cozinha. E são chamados à reconciliação e a viver juntos", diz a Agência Fides, citando os religiosos e religiosas da Eritréia.

10 junho 2018, 11:21