Versão Beta

Cerca

Vatican News
Maria Graça Gomes de Pina, Leitora de Português na Universidade de Nápoles, L'Orientale. Maria Graça Gomes de Pina, Leitora de Português na Universidade de Nápoles, L'Orientale.  

A África é um continente criativo ao máximo - Maria Graça Gomes

Leitora de Português, a Prof.ra Maria Graça Gomes de Pina defende o valor da oralidade, a necessidade de as histórias serem recolhidas e contadas, uma forma tambem de criar gosto pela leitura. Aprecia igualmente as novas formas de propor essas histórias em tempos de redes sociais e fala do aspecto positivo da magia.

Dulce Araújo -  Cidade do Vaticano 

Maria Graça Gomes de Pina é Leitora de Português na Universidade de Nápoles, “L’Orientale”. Mas tem muita paixão pela língua e literatura cabo-verdianas, sobre as quais vai publicando algo sempre que pode.  Um dos seus mais recentes artigos é "Os Contos "Na Bóka Noti”, na Tradição Oral Cabo-Verdiana”, publicado em maio deste ano, na Revista de Estudos Interculturais do CEI-ISCAP. Um artigo que procura valorizar a oralidade através dos contos narrados ao anoitecer à criançada e não só, sobretudo no Cabo Verde de um tempo que já lá vai…

A história de Vasquinho 

O artigo “Os Contos "Na Bóka Noti”, na Tradição Oral Cabo-Verdiana”, traz a interessante narração da personagem Vasquinho, um camponês muito astuto nas suas relações com o seu meio social e espiritual.  Um conto tirado da colectânea realizada pelo investigador cabo-verdiano, Tomé Varela da Silva.

Recolher, conservar estas histórias é, sem dúvida alguma, muito importante, mas não basta, há também que contá-las. E isto já está, de algum modo, a ser feito nas escolas, frisa a Prof.ra Graça Gomes de Pina, dando o exemplo de  "Chiquinho" (obra do escritor cabo-verdiano Baltazar Lopes, publicado pela primeira vez em 1947 e considerado o primeiro romance da literatura cabo-verdiana), transformado em audio-livro para pessoas que não sabem ler.

Hoje, na época das redes sociais, não é fácil recriar o ambiente da "bóka noti" dos tempos passados, mas não faltam novas soluções, como a transformação dos contos em banda desenhada que se pode ver em telemóveis. 

Magia, expressão da sensibilidade e criatividade africanas

Ao analisar a história de Vasquinho a Prof.  Graça de Pina põe em evidência também a magia ínsita nas culturas e que se reflecte nesses contos orais, magia muitas vezes interpretada como resignação, ignorância das causas profundas dos fenómenos, enfim como um elemento negativo nessas culturas. Mas, para  Graça de Pina a magia pode também ser vista numa óptica positiva, como expressão máxima da criatividade africana.  Nada que ver, portanto, com o querer ver a magia unicamente como uma característica negativa das cultura africanas!

Além disso, há que ter presente que hoje há uma forte tendência a valorizar as fontes orais na escrita da História da África. Algo positivo, segundo Graça de Pina, desde que não fiquem fechadas em si mesmas. 

Artigos à espera de ser publicados

A paixão da Graça de Pina pela língua, literatura e cultura cabo-verdianas levou-a a traduzir, em 2005, para o italiano, introduzir e acompanhar com amplas notas de enquadramento a obra “Mornas” do grande intelectual e poeta cabo-verdiano, Eugénio Tavares, falecido em 1930. Mas, para além disto, e do artigo sobre “Os Contos "Na Bóka Noti”, na Tradição Oral Cabo-Verdiana Contos ", tem mais artigos à espera de ser publicados e outros projectos na mente.

Oiça a Professora Maria Graça Gomes de Pina

 

 

18 junho 2018, 13:36