Versão Beta

Cerca

Vatican News
Campo de crianças congolesas refugiadas em Uganda Campo de crianças congolesas refugiadas em Uganda  (AFP or licensors)

Crianças congolesas refugiadas em Uganda vítimas de violência

10% das crianças que chegaram a Uganda fugindo da República Democrática do Congo (RDC) afirmam ter sofrido estupro durante a viagem – revela uma pesquisa da Save the Children

Bernardo Suate - Cidade do Vaticano

10% das crianças que chegaram a Uganda fugindo da República Democrática do Congo (RDC) afirmam ter sofrido estupro durante a viagem – revela uma pesquisa da Save the Children, na qual foram entrevistados 132 refugiados com idades compreendidas entre os 10 e 17 anos.

Deste estudo, realizado pela Organização Internacional que desde 1919 luta para salvar as vidas das crianças e garantir-lhes um futuro, também emerge que a fome é o maior problema para as crianças que fogem da RDC e se dirigem para Uganda, calculadas em 81%. Além disso, mais de 1 em cada 2 (53%), ficaram doentes durante a viagem, enquanto que mais de um quarto (27%) sofreram a agressão de um ou mais grupos armados ao longo da rota.

Histórias horríveis de estupros e violência extrema

"Todos os dias vemos crianças a chegar em Uganda em condições desesperadas. Cada uma delas tem histórias horríveis para contar; histórias de estupros, episódios de violência extrema, assassinato dos pais", disse Johnson Byamukama, director da Resposta à Emergência da Save the Children em Uganda. "Dois irmãos conseguiram chegar em Uganda depois de se separarem dos seus pais no caos gerado por um ataque à sua aldeia. Depois ouviram que a mãe ainda podia estar viva, e assim voltaram atrás, apenas para encontrar o seu corpo sem vida: ela havia sido morta algumas horas antes. As crianças tiveram que repetir a perigosa viagem mais uma vez para entrar em Uganda. Histórias que quebram o coração, como esta, são muito comuns”.

Pouca resposta dos doadores internacionais

Apesar do estado de grave necessidade, a crise na RDC e a resposta à chegada de refugiados em Uganda continuam seriamente subfinanciadas. Na última sexta-feira, os grandes doadores internacionais, reunidos em conferência em Genebra, se comprometeram para quase um terço dos 1,68 bilhões de dólares americanos necessários para apoiar o plano de resposta humanitária.

A Save the Children exorta os grandes doadores internacionais a fazerem mais e a aumentarem urgentemente os fundos para fazer frente à crise regional, fornecendo também primeiro socorro psicológico e apoio às vítimas de violência sexual.

"A extensão e a escala desta crise devastadora são difíceis de compreender e o mundo ainda não as entendeu. É o momento de dar com generosidade para apoiar estas crianças, que foram despojadas da sua infância. O Uganda agora abriga mais refugiados do que qualquer outro País da África e isto causa uma enorme pressão sobre os serviços essenciais, sobretudo na saúde e educação", acrescentou Byamukama.

Mesmo depois de terem chegado em Uganda, as crianças continuam expostas ao risco de violência sexual; nas últimas semanas foram assinalados numerosos casos dentro dos assentamentos. Os entrevistados relataram que o risco de violência sexual é maior quando recolhem a lenha (42%) ou água (42%), no caminho para a escola ou durante o jogo. A impossibilidade de ir à escola, a fome, a gravidez precoce, a violência sexual, os ataques, os sequestros e a falta de abrigo são, segundo a pesquisa, as principais preocupações das crianças congolesas refugiadas em Uganda.

Maioria de crianças não frequenta a escola

Perto de 80% dos menores em idade escolar no campo de Kyaka II, Oeste de Uganda, não frequentam a escola - embora 85% deles digam que querem ir - e, portanto, estão expostos a um maior risco de exploração. Apenas 9% das crianças entrevistadas têm a esperança de regressar à RDC nos próximos cinco anos.

Segundo o estudo da Save the Children, desde o início do ano, mais de 73 mil refugiados fugiram da RDC, 2.800 dos quais são menores não acompanhados ou separados da família durante a viagem. "Com tantas crianças que permanecem fora do sistema escolar por longos períodos e com a perspectiva que permaneçam no Uganda também por muito tempo, é vital que sejam disponibilizados os fundos necessários para a educação de longo prazo e para programas de aprendizagem acelerada que ajudem os alunos a recuperar o que foi perdido até agora.

A Save the Children está montando salas de aula e lugares seguros para oferecer oportunidades de aprendizagem e proteção para crianças, e trabalha com o Governo ugandês para desenvolver um plano que melhore a educação dos refugiados e das comunidades anfitriãs.

Distribuição de terras e a cólera entre os desafios

Paralelamente aos riscos relacionados com a proteção de menores e a falta de acesso à educação, entre os problemas enfrentados pelos refugiados que fugiram da RDC para Uganda, estão também as crescentes tensões relativas à distribuição de terras dentro dos campos. À medida que mais refugiados chegam àquela que é uma das áreas mais desfavorecidas de Uganda, a quantidade de terra que lhes foi dada se reduz e cresce nas famílias o receio de não poder produzir alimentos suficientes.

"Existe uma superpopulação extrema, que causa riscos para a saúde de milhares de crianças, mulheres e homens. Somente no campo de Kyangwali, desde meados de fevereiro 43 pessoas morreram de cólera e há outros 2 mil casos que requerem tratamento", conclui Johnson Byamukama.

Crianças congolesas vítimas de violência
18 abril 2018, 17:25